Trabalhadores rejeitam propostas do SIM e ônibus não circulam pelo 6º dia em Porto Velho

0
15

Greve começou no último sábado (11) por conta do atraso no pagamento de salário e benefícios. Consórcio SIM disse não haver motivos para a paralisação.

Após rejeitarem as propostas do Consórcio SIM, motoristas e cobradores do transporte coletivo de Porto Velho decidiram por manter a greve em assembleia na manhã desta quinta-feira (16). O movimento grevista chegou ao 6º dia com a categoria denunciando atraso no pagamento do salário de dezembro e outros benefícios.

Para encerrar com a paralisação, a empresa responsável pelo serviço fez duas propostas durante uma audiência realizada na Justiça do Trabalho na tarde de quarta-feira (15). No encontro, o sindicato que representa a categoria propôs votar os pontos em assembleia nesta quinta-feira.

Após exposição da situação da greve pelo presidente e advogado do Sindicato dos Trabalhadores de Transporte Urbano de Rondônia (Sitetuperon), Francinei Oliveira, os presentes votaram e rejeitaram as propostas (entenda ponto a ponto as propostas ao final da reportagem).

Na terça-feira (14), o desembargador Osmar João Barneze, do Tribunal Regional do Trabalho (TRT-14), determinou o retorno de até 90% dos ônibus para as ruas nos horários de pico e fixou multa de R$ 100 mil por dia e R$ 10 mil por ônibus em caso de descumprimento. Na contramão da liminar, a categoria decidiu não voltar aos postos de trabalho.

Com a rejeição das duas propostas do SIM, os trabalhadores devem apresentar outra opção em nova audiência no TRT-14 nesta quinta. Caso não seja aceita pela empresa, a categoria deve pedir demissão em massa, segundo Francinei Oliveira.

“A proposta não foi aceita. A gente construiu uma nova proposta para apresentar agora numa nova audiência de continuidade à de ontem pra ver se a gente chega a um consenso. Caso essa contraproposta não seja aceita, infelizmente o caminho é a rescisão indireta individual pra cada trabalhador”, complementou o presidente do Sitetuperon.

Em nota divulgada no fim de semana, o SIM confirmou que estão atrasados o salário de dezembro e a segunda parcela do 13° salário. A empresa também alegou que passa por “grave crise de equilíbrio econômico e financeiro” e que com a queda no número de passageiros, não teve caixa para fazer realizar pagamentos e novos investimentos.

Por sua vez, a Secretaria Municipal de Transporte, Mobilidade e Transportes (Semtran) informou que continua disposta ao diálogo, pois “os questionamentos dos trabalhadores do transporte coletivo são justos, porém a responsabilidade administrativa cabe ao Consórcio SIM e não à prefeitura”.

Veja quais são as propostas rejeitadas:

Proposta 1

  • Pagamento da cesta básica de janeiro de 2020 e do vale-alimentação de janeiro de 2020 em 22 de janeiro de 2020;
  • Adiantamento de 40% do salário de janeiro de 2020 no dia 30 de janeiro de 2020;
  • Pagamento das férias vencidas no dia 05 de fevereiro de 2020;
  • Saldo do salário de janeiro de 2020 (60%) em 15 de fevereiro de 2020;
  • Pagamento em 6 parcelas a contar de 15 de março de 2020 da 2ª parcela do 13° salário de 2019, do salário de dezembro de 2019, da cesta básica de dezembro de 2019 e do vale-alimentação de dezembro de 2019.

Proposta 2

  • Pagamento da 2ª parcela do 13°salário de 2019 em duas parcelas, sendo a primeira no dia seguinte a homologação do acordo e a segunda no dia 30 de janeiro de 2020;
  • Adiantamento de 40% do salário de janeiro de 2020 no dia 10 de fevereiro de 2020;
  • Pagamento do salário de janeiro de 2020 em 20 de fevereiro de 2020;
  • Adiantamento de 40% do salário de fevereiro de 2020 em 03 de março de 2020;
  • Pagamento do saldo do salário de fevereiro de 2020 em 16 de março de 2020;
  • Pagamento em 6 parcelas a contar de 20 de março de 2020 do salário de dezembro de 2019, das cestas básicas, do vale-alimentação de dezembro de 2019 e das férias vencidas.

Fonte: G1.Globo

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here